Notícia

SEFAZ

Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas
×

Aviso

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 1017

Karyne Evelyn de Vasconcellos Gomes

A Secretaria da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL) informa que a base de cálculo do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) que incide sobre a gasolina no Estado, especificamente a Gasolina Automotiva Comum (GAC) e a Gasolina Automotiva Premium (GAP) e Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), agora possui uma nova média móvel dos preços praticados ao consumidor final.

Dessa vez, considerando o preço médio dos últimos 60 meses anteriores à sua fixação, o preço praticado ao consumidor final para os combustíveis está da seguinte forma: Gasolina Automotiva Comum (R$ 4,9021) por litro; Gasolina Automotiva Premium (R$ 4,9021) por litro; e a Gás Liquefeito de Petróleo (R$ 5,5373) por kg.

A informação deve ser publicada na edição suplementar do Diário Oficial do Estado de Alagoas (DOE-AL) de hoje, 1 de julho de 2022.

A Secretaria da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL) e a Procuradoria Geral do Estado (PGE-AL) darão início ao maior programa de transação tributária da história, sendo pioneiro no Nordeste. A iniciativa possibilitará a recuperação de créditos tributários superiores a R$ 1 milhão, por meio da compensação parcial da obrigação tributária utilizando-se de créditos contra o Estado, enquanto o valor remanescente deverá ser pago em moeda corrente.

 

Estima-se que aproximadamente R$ 9 bilhões em débitos com o fisco alagoano poderão ser negociados. Os interessados vão poder aderir ao programa a partir de 1º de agosto. Todos os detalhes poderão ser conferidos nos próximos dias em publicação do Diário Oficial do Estado (DOE).


Este novo Decreto alterará o Decreto nº 1.738/2003, que regulamenta a Lei nº 6.410/2003, ao incluir hipótese que possibilite a liquidação de até 40% de crédito tributário referente ao ICMS, decorrente de fato gerador ocorrido até 31 de dezembro de 2021, por meio de utilização de créditos contra o Estado de Alagoas nos termos da Lei nº 6.410/2003. Destaca-se que o saldo remanescente deve ser extinto mediante pagamento em moeda corrente, podendo ser utilizado o incentivo previsto no Decreto nº 71.800/2020.


Para isso, os contribuintes que se encontrarem com seus débitos ajuizados ou em discussão administrativa deverão abrir mão da discussão judicial ou administrativa de seus débitos. Com a adesão pelo contribuinte, calcula-se o recebimento em dinheiro de até aproximadamente 60% do crédito tributário no prazo de até 90 dias. 


O secretário de Estado da Fazenda, George Santoro, enfatiza que esta ação faz parte do Plano de Retomada da Economia Alagoana, sendo uma excepcional oportunidade para os contribuintes se regularizarem e limparem seus balanços, proporcionando uma oportunidade para as empresas iniciarem 2023 com novos horizontes e oportunidades. Também irá promover uma grande injeção de recursos na economia pelo pagamento de milhares de sentenças transitadas em julgado. No curto prazo a medida ajudará ainda mais no movimento do comércio alagoano o que proporcional a abertura de muitos empregos. Tal medida, neste momento, é extremamente importante no atual cenário econômico de juros alto e economia com baixíssimo crescimento. 


“É importante registrar que a negociação desses créditos judiciais representará ingresso de novos recursos principalmente para os servidores públicos que são os principais detentores de crédito. Com a abertura do prazo de adesão eles poderão negociar junto às empresas e escritórios de advocacia seus créditos judiciais, possibilitando receber os valores que estão aguardando há muito tempo. Com os recursos em mãos, haverá injeção de valor significativo na economia do Estado, o que deve movimentar o comércio alagoano”, ressalta.


De acordo com o secretário especial da Receita Estadual, Luiz Dias, o programa estimula o contribuinte a regularizar suas pendências com o fisco Estadual, promovendo ainda a recuperação de montantes que seriam inviáveis de quitação em condições diversas às propostas na medida apresentada, devido ao seu valor expressivo.

“A proposta busca promover a diminuição de litígios tributários, tanto no âmbito judicial quanto administrativo, litígios esses que se prolongam por tempo indeterminado, inviabilizando a recuperação célere do crédito. Logo, por meio dessa medida prevê-se a oportunidade de desafogar as instituições e otimizar os processos entre o fisco e o contribuinte”, frisa.

A Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL) promoveu, nesta segunda-feira (27), uma live para exemplificar como apresentar informações no registro da Escrituração Fiscal Digital (EFD) para subsidiar o Índice de Participação dos Municípios (IPM). O encontro foi transmitido pelo canal do YouTube da Fazenda e está disponível no link em youtube.com/sefazalagoascanal.

“Durante a live, abordamos a questão do registro 1400 e sua necessidade para o cálculo do valor adicionado fiscal, sobre o IPM, o cálculo do índice, informações não obtidas em documentos fiscais, o histórico, o problema, a solução, entre outros. Vale lembrar que fizemos um passo a passo simples e objetivo para facilitar a todos, principalmente, como deve ser realizado o registro 1400 do sistema da EFD", comentou o chefe de Planejamento da Ação Fiscal da Sefaz-AL, Eduardo Egypto.

O objetivo foi sanar dúvidas de todos sobre a Instrução Normativa SEF Nº 20/2022 que regulamenta o preenchimento do registro sobre valores agregados.

O momento também contou com a presença do chefe do Índice de Participação dos Municípios Alagoanos (IPM), Flávio Vasconcelos, que complementou: "Caso alguém tenha dúvidas técnicas, é só ligar para o telefone (82) 3216-9814, setor responsável pelo IPM", disse.

Na oportunidade, durante a transmissão, foi ensinado como fazer o preenchimento correto do registro 1400 (informação sobre valores agregados), para fins de cálculo do Valor Adicionado Fiscal (VAF), por município, relativamente aos produtos e serviços, de acordo com o caso, provenientes ou prestados por contribuinte não inscrito no cadastro de contribuintes de Alagoas.

Quer saber mais detalhes? É só conferir a edição do dia 17 de junho de 2022 no Diário Oficial do Estado de Alagoas (DOE-AL), na página 74. Ou, pelo canal do YouTube (/Sefaz Alagoas).

O dia 27 de junho foi escolhido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Internacional das Micro, Pequenas e Médias Empresas, como forma de reconhecer a importância econômica e social dos pequenos negócios, ao redor do mundo.

Vistas pela ONU como a “espinha dorsal” da maioria das economias, essas empresas desempenham um papel fundamental aqui no estado de Alagoas, gerando oportunidades significativas de geração de emprego e renda.

Segundo o empresário alagoano, Brandão Júnior, muitos dos empregos gerados por essas empresas são as primeiras atividades profissionais de jovens que aprendem o ofício na prática, além do nível de recontratação durante a alta temporada ser maior, se comparado a outros setores econômicos.

“Isso demonstra a força que as micro, pequenas e médias empresas possuem na geração de empregos, principalmente nesse momento no qual a economia vem aquecendo”, destacou o empresário. Bares e restaurantes ganham destaque já que, segundo Brandão Júnior, são responsáveis por 51% das contratações no setor de turismo.

Para o empresário, a data valoriza as empresas de diversos setores, para ele significa comemorar e refletir sobre a nova fase pós pandêmica, além de ser também um momento para se reinventar. “É importante perceber que essas empresas têm um espaço reconhecido internacionalmente, porém ainda há muito a se conquistar”, pontuou Brandão Júnior.

Para comemorar esta data, vamos conhecer um pouco mais sobre o trabalho da Secretaria da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL), com as micro, pequenas e médias empresas alagoanas, que somadas representam em torno de 80% das empresas do estado.

A Sefaz-AL realiza um trabalho de monitoramento, fiscalização e orientação com os Microempreendedores Individuais (MEIs), já com as empresas de pequeno porte (EPP) o trabalho é em torno das malhas fiscais – verificação e cruzamentos de dados.

De acordo com o gerente do Simples Nacional em Alagoas, Lucas Diógenes, o Simples Nacional é muito importante para o estado, para movimentar a economia. “Com o Simples as empresas conseguem sobreviver, porque é um regime diferenciado, que traz benefícios que com certeza fazem a diferença para essas empresas”.

Segundo Diógenes, Alagoas possui aproximadamente 130 mil MEIs, sendo que 23 mil destes estão atualmente realizando operações com mercadorias. “A Sefaz desempenha um importante papel de orientação para os pequenos contribuintes, que às vezes não entende ou entende pouco sobre como funciona a legislação. Com isso orientamos como elas devem se comportar para seguir as normas tributárias, além de mostrar a importância dessas empresas”, apontou o gerente do Simples Nacional.

Simples Nacional

Lançado em 2007 para descomplicar a vida de donos de pequenos negócios, o Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido, previsto pela Lei Complementar nº 123, de 2006, e aplicável às Microempresas (ME) e às Empresas de Pequeno Porte (EPP). Com o Simples o recolhimento de vários tributos federais, estaduais e municipais é feito em uma única guia, a DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional).

Os serviços referentes ao Simples Nacional podem ser acessados através da atendente virtual da Sefaz Alagoas, a Nise, através do site www.sefaz.al.gov.br ou pelo Telegram @nise_sefaz_al_bot.

A Secretaria da Fazenda de Alagoas reconhece a importância das micro, pequenas e médias empresas  para a economia estadual, por isso trabalha para fortalecer o segmento no Estado.

Você sabia que ao adotar uma instituição social dobra as suas chances de ganhar prêmios na Nota Fiscal Cidadã (NFC)? É assim que funciona a campanha da Secretaria da Fazenda de Alagoas, que já contemplou mais de 94 mil alagoanos desde 2016, com o valor de R$ 23.600.000,00. O simples ato de compartilhar notas fiscais beneficia consumidores e entidades cadastradas na NFC.

Ao efetuar uma compra de qualquer valor e pedir o CPF na nota fiscal, o cidadão pode compartilhar suas notas com uma das 116 instituições registradas. Quando faz essa adoção no sistema, automaticamente dobra a quantidade de bilhetes disponíveis para sorteio. Ou seja, ao escolher uma instituição, ocorre um compartilhamento de notas para ambos permitindo que os dois ganhem prêmios. Pessoas físicas precisam de apenas 10 notas fiscais para conseguir 1 bilhete, enquanto instituições sociais precisam de 50 notas para ter direito a 1 bilhete.

“Quando compartilha, você não está dando seus bilhetes para instituição social, você está ganhando vantagens nos sorteios realizados, além de contribuir com a missão do terceiro setor pela melhoria de diversos problemas que atingem a sociedade. Esse ato de solidariedade vem dando suporte para entidades que lutam pela inclusão social de crianças, adolescentes, idosos, gestantes, pessoas com deficiência física, dependentes químicos e tantos outros públicos assistidos”, explica a coordenadora da campanha Nota Fiscal Cidadã, Glácia Tavares. 

Cadastrado na NFC desde 2017, o Instituto Estrela de Jesus Recanto da Fé atende as comunidades carentes do bairro Jacarecica e regiões adjacentes, em Maceió. O Instituto fornece serviços na área da cultura, saúde, assistência social, religião e cidadania, em prol de melhorias nas condições de vida de famílias em vulnerabilidade social. A coordenadora do projeto, Nailza Vitor, comenta sobre o que já realizaram com o dinheiro ganho na campanha.

“Já participamos de vinte e nove sorteios e, no total, já ganhamos R$ 237.326,00. Com esse valor, nós temos melhorado a estrutura do prédio, assim como temos adquirido também equipamentos para melhorar o nosso atendimento, colocamos energia solar, já compramos computadores e TV, trocamos portas e janelas, reforçamos a estrutura com câmeras, cerca de segurança, pintura, construção de um estacionamento e também fizemos a aquisição de cestas básicas para doar às famílias assistidas”, comenta.

O Centro Espírita Francisco Filho também é uma das instituições que já foram beneficiadas pela Nota Fiscal Cidadã. Cadastrado desde o início da campanha, o Centro atende no bairro Ponta Grossa na capital alagoana e oferece ensino fundamental gratuito para crianças, atendimento espiritual, auxílio às pessoas idosas e gestantes carentes, dentre outros serviços de assistência social. 

“Recebemos no período de 2016 a 2022 um total de R$ 244.721,00, empregados nos serviços de restauração e reforma do prédio sede e nas despesas de custeio de pagamento de contas de energia, água, aquisição de gêneros alimentícios e nas despesas da escola. Sem os recursos da NFC não teríamos conseguido realizar nada do que fizemos”, enfatiza o presidente da instituição, Josival Souza Menezes.

Para se solidarizar com alguma das entidades sociais cadastradas na campanha, é só você entrar no site da Nota Fiscal Cidadã (http://nfcidada.sefaz.al.gov.br/), fazer o seu login com CPF, clicar em “Adotar” e escolher a instituição desejada.

Sistemática da NFC

Com a Nota Fiscal Cidadã, o consumidor tem a possibilidade de receber de volta até 10% dos impostos arrecadados via ICMS pelos estabelecimentos comerciais. A coordenadora da campanha, Glácia Tavares, ressalta sobre participação mais ativa do consumidor no processo de pagamento de tributos.

“A Nota Fiscal Cidadã tem como base a educação dos tributos. Estes impostos e taxas estaduais voltam para nós através de serviços públicos, como educação, lazer, segurança e saúde. Quando você exige sua nota fiscal e participa da campanha, você também concorre a prêmios. Então, além de você exercer a sua cidadania e o seu direito de consumidor, você também pode participar de sorteios a cada dois meses”, frisa.

 

Quer obter os melhores preços de alimentos típicos na hora das compras neste período junino? Para isso, é necessário acessar o Economiza Alagoas, da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-AL). Assim, você consegue pesquisar onde está mais econômico. É simples e fácil: basta colocar a descrição ou o código de barras da mercadoria na plataforma.

"A plataforma é um demonstrativo do quanto um mesmo produto pode ter preços diferentes. Além disso, facilita na hora da compra dos consumidores alagoanos. Os preços variam, bem como tamanhos, marcas, entre outros. Os consumidores podem comparar também diversos preços sem se deslocar até o estabelecimento", frisa o líder do projeto Economiza Alagoas, Eduardo Barbosa.

Na ocasião, o milho verde (espiga e em lata), milho de canjica, ervilha, milho de pipoca, amendoim, milho para munguzá, fubá de milho, pamonha e leite líquido são os principais produtos mais consumidos e procurados nas festas juninas. Pensando nisso, para obter os melhores preços, é necessário clicar no link: economizaalagoas.sefaz.al.gov.br/.

É importante lembrar: para ter acesso a segunda via da nota fiscal e outros benefícios, o cidadão deve primeiro cadastrar seu CPF como “Consumidor” no site da Nota Fiscal Cidadã (NFC) e, em seguida, usar o mesmo login e senha para acessar a área do ‘Espaço do Consumidor’ no site do Economiza Alagoas.

O programa foi desenvolvido pela equipe da Tecnologia da informação (T.I.) da Sefaz com o objetivo de divulgar informações públicas do interesse da população alagoana.

A equipe da Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL) participou, nesta terça-feira (14), da aula inaugural para os estudantes selecionados que atuarão como multiplicadores no Projeto Educação Fiscal nas suas respectivas escolas. Ao todo, participaram desse momento cerca de 50 alunos do 6° ao 7° ano do ensino fundamental. O encontro aconteceu no auditório da Secretaria Municipal de Educação (Semed), no município de Campo Alegre.

Na oportunidade, participaram das atividades quatro escolas municipais da região: Monsenhor Hildebrando Veríssimo Guimarães; Professora Zenobia Ferreira da Silva; João Fernandes Vieira Filho e Felizardo Souza Lima.

"A aula inaugural é uma exposição de forma lúdica e interativa com os alunos presentes sobre o tema de Educação Fiscal. É de suma importância, pois forma cidadãos capazes de compreender a função social dos tributos e, além disso, a sociedade adquire mais conhecimento da aplicação dos recursos públicos, ou seja, o gasto dele", destacou o coordenador pedagógico do Programa de Educação Fiscal (PEF) da Sefaz, Yuri Miranda.



Durante a palestra, o coordenador de trabalho da Secretária de Indústria e Comércio de Campo Alegre-AL, Denis Souza, disse que a oficina leva conhecimentos aos cidadãos sobre a administração pública. “Incentiva o acompanhamento, pela sociedade, da aplicação dos recursos públicos. Criando condições para uma relação harmoniosa entre o município e o cidadão. Dessa forma, podemos mostrar a função socioeconômica do tributo”, pontuou o coordenador.

O coordenador do Núcleo Estratégico de Educação Fiscal da Secretaria Municipal de Campo Alegre, Daniel Alves, contou que essa parceria da Sefaz Alagoas tem o objetivo de conscientizar a comunidade escolar. "É necessário buscar o melhor acerca do tema abordado que é a compreensão da função socioeconômica dos tributos e sua conversão em benefícios para a sociedade, bem como entender o papel do Estado e a capacidade de financiar as atividades essenciais, o funcionamento da administração pública e o papel cooperativo do cidadão", contou.

 

Os maceioenses ganharam mais uma nova instituição cadastrada na campanha da Nota Fiscal Cidadã (NFC). A Associação Ação AVC, situada no bairro da Pajuçara, é a mais recente participante da NFC. A entidade atende pessoas que sofreram Acidente Vascular Cerebral (AVC), ou que convivem com as dificuldades, conflitos e superações que uma família passa após a doença, bem como acompanha as políticas públicas que afetam esse público.

Criada em 2010, a associação tem o objetivo de inspirar esperança e novas possibilidades, compartilhando sobre o AVC. Além disso, conta com atividades que contemplam a prevenção, reconhecimento de sintomas, tratamento e reabilitação.

Os trabalhos são desenvolvidos conforme os quatro pilares: pessoas que sofreram AVC, familiares e cuidadores; profissionais de saúde; público geral com foco em campanhas e palestras; além de acompanhamento de políticas públicas que atendam os interesses das famílias envolvidas com o AVC.

A fundadora e presidente da Associação Ação AVC, Solange Syllos, comentou que a ideia de criar a instituição foi pelo motivo do seu filho ter AVC aos 24 anos de idade. 

"Meu filho teve AVC hemorrágico. Quando ele sentiu uma forte dor de cabeça, levamos ao hospital. A partir daí, fez o exame de tomografia, entrou em coma e, logo em seguida, os médicos realizaram a cirurgia. Essa foi a ideia inicial, por isso surgiu a entidade. O meu trabalho voluntário é levar conhecimento de qualidade para as pessoas que não conhecem sobre a doença. Assim como meu filho Guilherme Syllos que, após a recuperação, se tornou co-fundador da Associação Ação AVC", frisou.

Solange ainda ressaltou que disponibiliza um site da instituição para divulgar informações que são relacionadas ao AVC. "Em nosso site constam conteúdos, desde quando a pessoa está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ou quando acabou de saber sobre a doença. Até mesmo sobre a alta hospitalar, como adequar a casa, vestir a camiseta e calçar o sapato, além de outros temas. É um auxilio para que as pessoas possam ficar bem mais informadas", disse.

Na ocasião, a equipe tem um grupo de apoio pelo WhatsApp que contém 70 pessoas e realiza reuniões mensais de forma online. Para obter mais detalhes sobre a associação, basta acessar o site https://www.acaoavc.org.br/.

A coordenadora da campanha Nota Fiscal Cidadã, Glacia Tavares, destacou a importância de colocar na nota fiscal o seu CPF. "É uma forma de ajudar também as entidades sociais a transformarem os seus sonhos em realidade. Por isso, é necessário se cadastrar na campanha e adotar uma entidade. Assim, poderá participar dos sorteios e ganhar prêmios em dinheiro", pontuou.

Como se cadastrar
O cadastro para novas instituições pode ser feito qualquer dia do ano junto a Chefia Especial de Educação Fiscal. Para fazê-lo é necessário, inicialmente, ligar para a Gerência de Educação Fiscal pelo telefone (82) 3216-9745, tirar dúvidas sobre a campanha e realizar o cadastro na NFC. A próxima etapa é enviar a documentação solicitada para o e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Depois de toda documentação entregue, os membros da diretoria da entidade devem ir presencialmente à Chefia Especial de Educação Fiscal, das 8h às 14h, no Bloco Administrativo Silvio Carlos Viana, em Jacarecica, para habilitar a instituição filantrópica à campanha e receber todas as instruções necessárias.

Documentos necessários
As documentações para o cadastro na campanha, por parte das entidades, são: cópia do estatuto social; cópia da publicação do ato de reconhecimento de utilidade pública na esfera estadual ou municipal; cópia da ata de posse da atual diretoria; atestado emitido pelo juiz de direito ou pelo representante do Ministério Público da comarca ou pelo Conselho de Assistência Social, comprovando o seu efetivo funcionamento.

Junto aos documentos, a entidade ainda precisa apresentar cópia do CNPJ do Ministério da Fazenda; conta bancária exclusiva para uso do prêmio; projeto relatando o uso do prêmio; termo de compromisso; documento que comprove a propriedade ou posse do imóvel (ex. contrato de locação, escritura, etc); além de preencher a ficha de cadastramento disponibilizada pelo órgão.

A Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL), por meio da Superintendência de Tecnologia da Informação (Suti), informa que, nesta segunda-feira (6), os sistemas do Processo Administrativo Tributário Eletrônico (e-PAT) e do Domicílio Tributário Eletrônico (DT-e) estarão indisponíveis entre os horários de 8h até as 14h.

O objetivo é realizar a manutenção para mantê-los desempenhando de forma eficaz todas as suas funções. Além disso, a equipe responsável pelo setor da Suti irá atualizar os sistemas com novas funcionalidades e correções.

Esta atividade faz parte do projeto da Suti de modernização de todos os ativos de TI da Sefaz Alagoas que visa garantir a alta disponibilidade de seus sistemas de informação, proteger a integridade e o sigilo dos dados.

O Assessor Especial de Ética e Compliance, Rodrigo Bittencourt, e a líder do Programa Contribuinte Arretado, Elka Gonçalves, da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-AL) estiveram presentes, nesta quinta-feira (2), com representantes da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL) e com o Conselho Regional de Contabilidade de Alagoas (CRC-AL) para tratar de assuntos ligados à melhorias no atendimento.


Na oportunidade, também foram discutidas soluções para facilitar o acesso e agilizar o cumprimento das decisões perante a Sefaz-AL. O encontro aconteceu no auditório da Escola Fazendária, em Jacarecica.


“Foi um encontro com os membros dos conselhos de contabilidade e dos advogados para explicar o que vem acontecendo nos atendimentos presenciais da Secretaria da Fazenda, entre os profissionais e os servidores fazendários. A ideia é criar soluções para melhorar ainda mais os atendimentos no órgão. Caso o servidor se encontre em uma situação desconfortável, deverá reportar a situação ao Compliance para que sejam tomadas as medidas cabíveis”, pontuou o assessor Bittencourt.


A líder do Contribuinte Arretado, Elka Gonçalves, destacou que o programa tem o objetivo de fortalecer e estreitar a relação fisco-contribuinte com base em bons princípios.


“A reunião foi bastante proveitosa, pois ouvimos os representantes que são frutos da parceria do Contribuinte Arretado para que assim possamos, em conjunto, construir soluções que aperfeiçoam as boas práticas de ética e moral. O Programa continua essa prática desenvolvendo e oferecendo serviços de qualidade aos contribuintes”, comentou a líder.


O Membro da Comissão de Estudos Tributários da OAB/AL, Luiz Gustavo, sugeriu estratégias para o aprimoramento no atendimento. “Podemos pensar no fluxo direto, por exemplo, como reunir essas reclamações internas dos servidores em um setor específico da Sefaz-AL. Caso algum servidor seja destratado por um advogado, seria encaminhado para o setor responsável da OAB. A ideia é executar um canal de comunicação direto com o Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/AL. Me comprometo, junto à OAB, a pensar na representação ética-disciplinar, para que seja de forma menos burocrática possível”, diz Gustavo.

Já o conselheiro do Conselho Regional de Contabilidade de Alagoas (CRC-AL) e presidente da Associação dos Contabilistas de Alagoas (Ascontal), Jordão Vieira, ressaltou que essa ação é de suma importância para toda a classe contábil.


“Hoje, durante a reunião, fomentamos a humanização, transparência e melhorias no relacionamento entre a Secretaria da Fazenda e o CRC-AL, bem como agilidade e aperfeiçoamento dos sistemas processuais e administrativos, pela interação e colaboração com sugestões proativas elaboradas pela classe contábil”, frisou Vieira.

Página 1 de 12