Artigo

SEFAZ

Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas
Sexta, 27 September 2019 14:13

Após quedas pontuais, Alagoas alcança resultados positivos relacionados ao setor de serviços

Após quedas pontuais, Alagoas alcança resultados positivos relacionados ao setor de serviços Ascom Sefaz

Entre os setores da economia, o terciário - que é composto pela atividade comercial e pela prestação de serviços - é um dos que mais representa uma tendência de crescimento e geração de empregos no Brasil como também no estado de Alagoas. Entretanto, ao longo dos anos, vem passando por uma instabilidade refletindo diretamente na capacidade econômica.

 

Clique para baixar o BOLETIM CONJUNTURA ECONÔMICA desta semana 

 

Para o ano de 2019, de acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE -, e dado o cenário econômico atual, o mês de julho apresentou o maior crescimento no setor de serviços, cerca de 0,8%. Contudo, essa evolução não recupera as perdas do ano.

 

Ao analisar esses dados, o Brasil vem registrando decréscimos nos volumes de serviços na série de 2018 até o primeiro semestre de 2019. Apesar do cenário negativo, o primeiro semestre de 2019 apresentou um acréscimo de 0,5% no volume de serviços nacionais em comparação com o mesmo período de 2018.

 

De acordo com a pesquisa mensal do consumidor (Pms/IBGE), apenas três das cinco atividades que compõem o setor de serviços registraram aumento no mês de julho de 2019 - os serviços de informação e comunicação (1,8%), de outras atividades (4,6%) que incluem serviços auxiliares da agricultura, pecuária, produção florestal, seguros e previdência complementar e outros, além do setor de transporte (0,7%). A recuperação das atividades de transportes está associada a variações nos transportes aéreos, aquaviário, terrestre, armazenagem e serviços auxiliares. 

 

Contudo, dos demais serviços, atividades prestadas às famílias apresentaram variações negativas nos meses de junho (-0,4%) e julho (-0,5%). Os mesmos resultados podem ser vistos para as atividades de profissionais, administrativos e complementares que apresentaram quedas nos meses de junho e julho de 2019 após os três meses anteriores com variações positivas.

 

No contexto alagoano, o Estado registra o segundo mês consecutivo com variações positivas no seu volume de serviços, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

 

Essa variação foi observada ao analisar o mês de junho e julho deste ano, registrando aumento de 2,5% nos serviços do estado alagoano. O Estado vem registrando instabilidades em seus marcadores, porém, acompanha o cenário nacional. Também registrando acréscimo de 0,3% na receita nominal de serviços, comparado com o mês de junho.

 

Em contrapartida, com relação à análise anual o estado vem registrando dados negativos para a receita nominal de serviços onde todos os meses de 2019 variaram para menos em relação aos meses de 2018. Julho registrou um recuo de -2,2%.

Esse cenário de retração no setor de serviços pode ser explicado pelo fato de em relação à capital alagoana, de acordo com o Instituto Fecomércio – AL, o número de pessoas declaradas impossibilitadas de pagar suas dívidas subiu 9% em julho de 2019 em comparação ao mês anterior, esse resultado nos da margem sobre a retração dos serviços de atividades prestadas às famílias. Em valores absolutos, esse resultado é de aproximadamente 50 mil pessoas, 4 mil a mais em comparação com o mês anterior.

 

Com dados atualizados para o mês de agosto aproximadamente 190 mil consumidores afirmam está endividados conforme os indicadores da PEIC (Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor) e aproximadamente 55 mil afirmam que não terão condições de pagar, em relação à inadimplência a capital de Alagoas está 8,6 pontos acima da média em comparação com as demais. Ainda que o total de endividados esteja apresentado oscilação nos últimos meses, esses resultados são muito expressivos quando comparados com a retração da busca por atividades ligadas ao setor de serviços.

 

Dentro desse contexto, um ponto importante a ser destacado, foi à paralisação das atividades de extração de sal-gema, usado na produção de cloro e soda, afetando o funcionamento das fábricas da Braskem em Alagoas. O trabalho de mineração foi apontado como causa das rachaduras em bairros da capital, o bairro do Pinheiro aparece como destaque como um dos mais afetados. A suspensão de suas atividades provoca uma reação em cadeia, afetando diversos setores da economia, incluindo o setor de serviços.

 

Atrelado a isso, além dos dados já mencionados, ainda que o setor de serviços seja um dos principais setores responsáveis pela geração de empregos formais, a retração do mesmo está ligada, dentre as variáveis apresentadas, a quedas no Índice de Consumo das Famílias (ICF), que referente ao mês de agosto caiu em 5,6% de acordo com a Pesquisa do Instituto Fecomércio/AL, em parceria com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

 

Esses resultados afetam diretamente os serviços prestados às famílias e serviços profissionais e administrativos, que corresponde à maior queda registrada para o período analisado. Os consumidores têm se mostrado receosos na hora de comprometer sua renda. A ligação entre esses resultados elucida as constantes quedas no setor referente aos períodos analisados.